3.8.09

Dedo-de-Seta


Eu não sei como foi com vocês, mas no meu tempo de colégio, lá pelo final dos anos setenta, quando eu e meu pessoal tínhamos treze, catorze anos, começar a experimentar “coisas de adulto” tinha um sabor delicioso de transgressão. Beber e fumar, em especial. Eu acho até que a gente gostava mais da transgressão do que do gosto da bebida ou do cigarro. Acho que isso sempre foi assim e continua sendo.


Estudávamos num colégio alemão, muito metido a besta e super conservador. Namorar, mesmo nas cercanias, usando uniforme, se houvesse toques, beijos, poderia render advertência e comunicação aos pais. Fumar nas dependências do colégio era altamente proibido, praticamente um crime.

E talvez por isso mesmo – porque era MUITO proibido, logo muito excitante – havia uma moda de fumar no banheiro, escondido, um único cigarro passando de mão em mão, de boca em boca, rapidinho, no fim do intervalo, antes de voltar à aula.


Eu me lembro de um caso de “delação” desse “crime”.


Havia um menino, não me lembro de seu nome, apenas de sua figura: esquálido, branquelo, pernas finíssimas, cabelo cor de milho e muito sardento. Tinha uma mãe muito brava que o levava e ia buscar. Regrado, certinho, tímido. E chato, muito chato. Sempre tentava se enturmar e não conseguia, virava e mexia, apanhava de alguém – acho que esse “tipo” sempre houve em todos os colégios. Foi ele que, por vingança ou por puro bom-mocismo, encarnou o dedo-duro – ser dedo-duro, aliás, era uma atividade muito em voga nos anos setenta.


Pois o magrelinho chato denunciou os delinqüentes fumantes.


Não me lembro bem o que aconteceu (eu não estava entre eles), advertência, talvez suspensão, mas me lembro que o magrelo, como não poderia deixar de ser, voltou a levar uns merecidos sopapos tempos depois, quando a poeira já havia baixado.


Eu andei me lembrando disso, porque a delirante lei anti-fumo que – parece – será mesmo implantada em São Paulo a partir dessa semana, tem, entre seus muitos princípios estapafúrdios, um que é muito, muito feio. Justamente: a delação.



Está no texto da lei que qualquer pessoa poderá denunciar a presença de pessoas fumando em locais “proibidos”, por telefone, internet ou através de formulários padronizados, que os próprios estabelecimentos serão obrigados a fornecer.


- Alô, é do anti-fumo? Seguinte: ontem, às quatro da manhã, eu estava no bar “tal” e lá havia pessoas ... fumando!


Beligerância e denuncismo, plantados no ambiente livre e democrático dos botequins, com patrocínio estatal. Qualquer pessoa com quarenta anos ou mesmo os mais jovens com uma razoável cultura da história recente deste país, devem saber o que isso lembra. Que fique assim, no ar: eu tenho até medo de dizer.



Enquanto uma multidão de inocentes úteis acredita piamente nas boas intenções da lei e que ela realmente se destina a cuidar melhor da “saúde pública” e a imprensa descerebrada e obediente abre enormes espaços para a cobertura do grande “evento”, praticamente vedando a manifestação de opiniões contrárias, o governo comemora: o sucesso da operação de marketing, previamente muito bem sinalizada por seus eficientes marqueteiros, vai render os esperados holofotes e um reluzente emblema para seus criadores ostentarem no peito, na próxima campanha eleitoral!


Um factóide criado e pago com dinheiro público, muito dinheiro: contratação e treinamento de pessoas, viaturas, equipamentos e – principalmente, fundamentalmente – PUBLICIDADE! O governador-candidato, dessa forma, mantém-se na mídia, desvia o foco de possíveis pontos falhos de sua gestão, posa de herói. Para isso, nada melhor e mais fácil – e mais covarde – do que atingir uma minoria.



Na prática, demagogia pura, destinada exclusivamente a incomodar e constranger freqüentadores de bares e casas noturnas dos bairros de classe média. Ou alguém acredita que as equipes de inquisidores anti-fumo, comandados pela elegante Dra. Maria Cristina Megid – a chefe da Vigilância Sanitária, que vai aparecer essa semana na TV mais do que a Juliana Paes e que no ano que vem será candidata a deputada (anotem e me cobrem) – vão se embrenhar pelas vielas das favelas para verificar se no interior das biroscas há delinqüentes tabagistas? Ou será que vão promover comandos de caça aos fumantes em botequins, salões de baile funk e forrós das periferias?



Curioso: um dos princípios que desde sempre justificou as ações governamentais no combate ao fumo é o fato de que fumantes, por terem maior tendência a desenvolverem toda a sorte de doenças (pelo menos é o que dizem), causam maiores gastos ao sistema público de saúde. Em sendo assim, que locais deveriam ser priorizados pela fiscalização: os bares da moda da Vila Madalena ou o forró risca-faca, lá no alto do morrão da Brasilândia? Onde será que há mais potenciais usuários do SUS?



Mas a “Lei Serra” tem alguns detalhes que, não fosse ela uma gigantesca filhadaputice, até poderiam ser um pouco engraçados.


Entre suas exceções, por exemplo, a lei menciona “cultos religiosos em que o fumo faça parte do ritual”. Ok, ok, bacana. Quando eu ouvi pela primeira vez falar da lei, foi mesmo uma das primeiras coisas em que pensei: se durante a gira, no momento em que o Caboclo-Fulano-de-Tal descesse e solicitasse seu charutinho aceso, quem estaria desacatando a lei, o médium, o dono do terreiro ou ... a entidade?


Ainda bem que alguém deve ter, quando o texto da lei já devia estar quase pronto, chamado o governador de lado e lhe dado esse toque: doutor Serra, e as religiões? Deve ter sido um integrante de uma dessas ONGs que defendem a “cultura afro”, dessa gente que anda por aí fantasiada de chefe tribal, sabe? Desses que sempre aparecem no noticiário quando o tema é pedir “cotas” para alguma coisa.



Bom, pelo menos isso.


Mesmo assim, eu tenho meus questionamentos a esse respeito. Se existe essa exceção, quero crer que é em respeito a uma tradição, correto? Mas a lei não se propõe a mudar a cultura, passando por cima da tradição? Outra coisa: pulmão de umbandista vale menos do que pulmão de quem professa outra religião? E se eu quiser fundar uma nova religião, eu posso incluir o fumo no ritual? Posso? Se eu resolver fundar a Igreja da Liberdade Irrestrita, cuja liturgia incluirá boa música, boa comida, boa bebida, onde ninguém será obrigado a fumar, mas poderá fazê-lo se tiver vontade, onde todo mundo poderá pensar e falar o que quiser, até altas horas da madrugada, tudo em homenagem ao Orixá Vinicius de Moraes, que será nosso mestre espiritual ... eu posso? E se eu quiser instalar um templo da minha igreja bem no meio da Vila Madalena, onde antes funcionava um bar profano, posso?



Botequim, pra mim, é religião: como é que fica?


Outra das “exceções” da lei de caça aos fumantes é de deixar qualquer um que tenha um mínimo de bom senso, indignado. Sabe o que está “fora” da lei? Os presídios! Sim, pois é: nos presídios não será necessário cumprir a lei!


Raciocinem: o que é um detento? É um cidadão que, por ter cometido um delito, é temporariamente “removido” do convívio social para cumprimento de uma pena de reclusão. Em outras palavras: o cara é privado de sua cidadania pelo tempo em que a pena durar. Ele perde o direito fundamental de ir e vir, ou seja: a liberdade. O cara não pode – pelo menos em tese – dar um passo sem que o Estado saiba: ele fica ali, trancado, vigiado, 24 horas por dia. Durante esse tempo, o sujeito será responsabilidade do Estado, será por ele alimentado, mantido. O Estado é guardião da própria integridade física dele.


Os estabelecimentos prisionais são, com exceção de umas poucas cadeias federais, construídos, mantidos e administrados pelos estados – no Estado de São Paulo, através da Secretaria de Administração Penitenciária. Ou seja: os presídios são órgãos estaduais, como estadual é a lei.


Então, a perguntinha fatal: por que preso pode fumar num “local fechado de uso coletivo” – e o que é pior: público! – e nós não??


No texto da lei: “os estabelecimentos prisionais e as unidades de cumprimento de medidas socioeducativas se sujeitarão a normas próprias.”


Como é que é? Quer dizer que cadeias podem criar “normas próprias” e bares não? Quer dizer que um detento pode ter essa liberdade e eu, que não roubei, não matei, não trafiquei, que nunca nem briguei na rua quando era moleque, não tenho? Quer dizer que o Estado, aparentemente, considera mais “difícil” impor os rigores da lei que criou, à pessoas que estão presas em seus estabelecimentos prisionais e que – pelo menos em tese – nem reclamar podem, do que para quem está... em liberdade?


(Eu disse “liberdade”?)


Óbvio, né? Exatamente isso: como sempre, é muito mais fácil impor coisas a quem é “do bem”. O Estado mal consegue controlar as próprias cadeias, mas para nós, pobres pagadores de impostos, vem todo valente e autoritário, falando grosso, impondo, restringindo, proibindo, normatizando os hábitos no interior dos estabelecimentos privados! Com que direito e com que moral?


Os patrulheiros do bom comportamento, por cegueira, hipocrisia ou simplesmente burrice, não percebem – ou fingem não notar – esse tipo de coisa.


Imaginem impor lei anti-fumo em cadeia! Pois se cigarro na cadeia, todo mundo sabe, serve inclusive como dinheiro! Se o governador se metesse a besta de fazer sua leizinha valer nos presídios, aconteceria uma rebelião monstro, como jamais se viu. E aí, quem ia ser o valentão pra controlar a bandidagem? Os fiscaizinhos da Vigilância Sanitária, com seus monoxímetros?



Aliás, se tem um tipo que, decididamente, não é tolerado no cárcere, é o dedo-duro, o "x-9". Será que tem algo a ver?


Mas é curioso e irônico que essa papagaiada – que não vai valer nas cadeias – tenha como garoto-propaganda e apoiador de primeira hora, justamente o onipresente médico pop do Brasil. Sim, justamente ele, que gosta tanto de presos! Que ficou famoso e certamente ganhou um bom dinheiro com seu livro, que virou filme...


Ô, doutor Dráuzio! Preso também é gente! O senhor não diz na propaganda que respirar um ar mais puro agora é direito de todos? Então! Os pobrezinhos também merecem! É uma questão de direitos humanos!


Vai lá, doutor: peça pro governador fazer a lei valer nas cadeias!



Desde já eu apoio o seu nome para ser o sujeito que vai fiscalizar sua aplicação: não tem ninguém neste país mais capacitado para essa tarefa! Podemos até lhe conceder um bom prazo para isso, quem sabe uns seis meses?



(Pelo menos durante esse tempo, será que ele some das minhas vistas?)


Se o senhor conseguir fazer com que os 125 mil presos do Estado de São Paulo cumpram a sua lei, eu JURO que nunca mais reclamo dela e que também vou cumpri-la direitinho!


Estamos combinados?


Ah, sim: eu comecei este artigo falando de moleques feios, fracotes e dedos-duros, de quem ninguém gostava e que sempre apanhavam. Eu nunca mais tive notícias daquele menino. Mas algo me diz que outros, do mesmo tipo, bem parecidos com ele, podem ter se dado muito bem na vida. Tornaram-se médicos famosos, políticos poderosos.


A gente se deu mal!

Eles venceram. E agora querem se vingar.



Bezerra da Silva & Barão Vermelho
"Malandragem, dá um Tempo"




Gostou desse? Leia outros artigos relacionados:
Ex-Fumantes
Cigarro, uísque e mulheres
Eu não quero mais brincar

52 comentários:

Tiago Sânzio S. Pereira disse...

É... Por vários desse ângulos eu digo que nem havia me tocado... Meu maior medo é que esta lei chegue em BH, cidade que vive dos seus bares, botecos e botequins... Mas como vc mesmo disse, na periferia não chega... E nas boates eu não frequento...

Acho interessante como, de uma hora pra outra, o estado passa a se preocupar de modo extremo com a saúde da população. Saúde da classe média / alta. Pq periféricos ou presos podem morrer, como sempre foi e sempre vai ser...

Quer saber? Que bom!! Antes morrer bebendo, fumando e me divertindo do que com essa cara de bunda igual da Dr. MAria Cristina!

abs!

Vanessa Pinho disse...

Meu Deus. Como vai ser minha cabocla Jurema chegando na terra sem poder fumar um charutinho?

Sobre o garotinho magrelo dedo duro, todo colégio tem um desse.
Haaa, como era bom aquele cigarro que passava de mão em mão... Quanta saudade da escola.
Ótimo texto.

Tiago Dadazio disse...

É LEGAL QUE VC INTERLIGA TUDO!
ADORO! :D

BRUNO disse...

Sou a favor da informação, de que o cigarro pode causar danos e blá blá blá mas proibir o cidadão de fumar, quase como se fosse um criminoso me parece msm demais, nem culpo o "governo" ou o "sistema"... mas sim a moral camaleônica, que muda através dos tempos. Quando tinha 18 (hj tenho 22) fumava um Marlboro, mas hj estou de boa, mas continuo bebendo rsrsrsr Abraço!

Vini e Carol disse...

Tudo que é escondido, e proibido é melhor.
Por isso essa ância de querer coisas novas e etc.
Em minha época não tive essas vontades, mas depois de vem crescidinhos fiz praticamente todas as merdas que um homem pode fazer, só não peguei nenhum travevo por ai, e não usei crack aahuauhahuauhuhauhauha, pq de resto fiz tudo, usei drogas, fui pixador, briguei demais na rua, fugi de casa, peguei a melhor amiga de ex namorada, entre outras coisas..

Agora me vejo como um cara limpo, e que ja conhece muita coisa.

Muito bom o texto, mesmo sendo grande, mostra muita coisa bacana.
São preconceitos inexpressíveis e lamentáveis.

Abraço.

Citypira disse...

Bom post...

http://Citypira.blogspot.com

J.Mendes disse...

Não sou fumante e não tenho opinião formada sobre essa lei. Só acho meio exagerada. Mas vc consegue levantar uns pontos q realmente nem se fala na imprensa, essa historia dos presidio não precisarem cumprir é mesmo uma vergonha. Quem ta preso então tem mais direitos e menos obrigações?

FabioZen disse...

Não fumo,não bebo,as vezes minto um pouquinho,não tenho nada contra quem fuma nem sou hipócrita de levantar bandeira anti-tabagismo,mas fico puto quando alguém acende um no meu nariz.É questão territorial mesmo!

Karina Lima disse...

Seu post me fez pensar em várias situações onde o danado do cigarro ainda é um ícone emblemático: mesas de pôquer, shows em cabarets, entrevistas de artistas de TV incompreendidos. É... dá-lhe pano pra essa manga, Lórde Scorps!

Eder disse...

Obrigado pelo comentário num blog de um iniciante q está querendo algum espaço!

E o q vou dizer agora, não tem a ver com o favor q vc me fez, gostei mesmo do post, até pq me identifiquei, já sofri com nego q tropeça na língua! Sou carioca e me amarro em Bezerra da Silva rs

Mas vc esqueceu de uma coisa, a tal Maria Cristina não bebe, não fuma, não transa, não vive, não é feliz...e por aí vai! rs

até mais, rapaz

Cris... disse...

Nossa, "detesto" essas "figuras" estranhas e amarelas que cutucam meu ombro pedindo( mandando, como se pudesse...)você pode afastar seu cigarro pra lá??!!Resumindo: Vc pode "sumir" daqui?Ah, se liga!!
Estou em um barzinho, curtindo um som, bebendo e fumando meu cigarro.
E esse "bosta" vem encher meu saco!
Agora todos os "amarelados" resolveram se juntar e levantar a bandeira antifumo... vão se catar!
Paguei pelo MEU cigarro, lasco o MEU pulmão e pago pra estar seja lá onde for, na birosca ou em um bar da vila madalena.
E por isso que eu digo:
Vou voltar a fumar um maço!!!rsrsrsrs
Adoro tudo que é proíbido desde que nasci..rs... e é óbvio, que não é agora que vou mudar!!!rsrsrs

Bruno Ribeiro disse...

Maravilha, maravilha de texto, compadre! Vou ler com calma e recomendar a todo mundo!

º°● Piter disse...

"Ah, sim: eu comecei este artigo falando de moleques feios, fracotes e dedos-duros, de quem ninguém gostava e que sempre apanhavam. Eu nunca mais tive notícias daquele menino. Mas algo me diz que outros, do mesmo tipo, bem parecidos com ele, podem ter se dado muito bem na vida. Tornaram-se médicos famosos, políticos poderosos."

Senti uma ironia super ácida nesse trecho, principalmente no final dele. rsrsrs


Sucesso moço!

Euzer Lopes disse...

Antes de começar a comentar, sou tabagista (para não dizer em altas e grandes letras: FUMANTE) há 22 anos. Tenho 40.
Antes lendo bastante sobre a lei e sou da seguinte opinião: GRAÇAS A DEUS surgiu esta lei.
Desde que eu comecei a fumar, fui meio egoísta quanto ao meu vício. Fumava em ônibus, em restaurantes, no escritório, o escambau.
Quando veio a segregação dos lugares para fumantes e não fumantes em restaurantes, e a proibição do cigarro em ônibus, quase surtei.
E fui crescendo, ficando velho...
E neste tempo eu aprendi uma coisa: LIMITE. O meu limite termina onde começa o do outro. E vice versa.
Da mesma forma que eu me incomodo se alguém ouve música alta às 3 da manhã incomodando meu sono, um não fumante na mesa ao lado não fica emputecido comigo?
Aqui em São Paulo alguns bares já estão se adaptando à nova lei. Como? Não sei, não fui a todos. Mas nos que eu fui há uma área ao ar livre para eles. E eu sempre que quis fumar, fui lá. O que isso intrferiu na minha diversão? Absolutamente nada (apenas, como você comentou no blog, uma fubanga empatafoda apareceu das catacumbas do limbo). Portanto, acima de respeitar a lei, acho que o respeito por quem não fuma (e não é obrigado a respirar a fumaça que eu soltei dos meus pulmões) é antes de tudo uma questão de cidadania.
E, claro, esta lei, quando for implantada de fato, pode ter "correções de percurso". Afinal, até agora ela funcionou bem no papel. Vamos ver na prática?

Adicionei você ao meu orkut. Agora, se quiser, deixo que você me adicione ao MSN (está na caixa de comentários no meu blog). Fique à vontade.

Samira Lima disse...

Excelente post! Parabéns pelo blog, eu adorei.

Sucesso

abraço

disse...

Oi Fábio.
Passando aqui, por hora, para agradecer o comentário e o elogio. Para dizer que separei vc nos meus favoritos e lerei com calma essa postagem e pelo que pude perceber outras mais, pq tudo me pareceu interessante. Inclusive o link que deixou sobre as mulheres do sec 21.
E tb para dizer que tb add o Mulherices nos meus favoritos para não perde-lo de vista.
Preciso separar um tiquinho mais de tempo para comentar em todos esses blogs incriveis que tem aparecido.... rs
Bjs

disse...

20 minutos depois...

Tá, tive que ler seu texto sobre essa palhaçada de lei. Ainda bem que moro em Petrópolis, RJ, e espero que isso não chegue por aqui (doce ilusão, sei que chegará)
Não sou uma fumante clássica. Acendo meus cigarros mentoladas junto com o copo de cerveja ou a taça de vinho. Isso dá uma média de 1 maço por semana, mas mesmo nos tempos em que parei de fumar (4 anos) não me incomodava os fumantes ao meu redor.
Como escrevi no blog do Euzer, se eu tivesse um bar ou boate teria uma placa na porta "Aqui vc pode acender seu cachimbo da paz". Entra quem quer.
E sabe o que percebo? A maioria das mulheres que reclamam da fumaça do cigarro da mesa ao lado é assim: "Que droga, logo hj que fiz escova, terei que lavar o cabelo que está fedendo, bla, bla, bla.". A preocupação não é com a saúde do seu pulmão e sim com o din din que gastou no salão!!!
Até acredito que 10% dos chatos se preocupam com a saúde e só.
Outra coisa que falei por lá: tudo é questão de bom senso. Fumar em avião não pode, claro, mas o que custa liberar o aeroporto para os mais afoitos acenderem seus cigarros assim que aterrizam depois de um longo voo? Geralmente aeroportos são enormesssssssssssssss, não são como o barzinho intimista do Seu Zé em Ipanema.
Quer saber? Nem começou e já cansei dessa história hipócrita!!
Bjs

Carina disse...

Nossa. Justamente sobre o mesmo assunto que vc abordou nesse post que vi no mktfks.
A lei está aí, é é boa por ajudar as pessoas a se policiarem e respeitar os outros que vivem proximos em uma sociedade!

ojuninho disse...

Excelenth post. um assunto atual e q levanta sempre polemicas e opiniões opostas. Não sou fumanth, mas, de acordo com dados q tem na net e tv, acho q será uma mudança até q positiva - na minha humild opinião -.

gostei d vc ter tocado no lance das cadeias.. interessante e. diria, controverso, mas, fazer oq, né?

bom texto, parabens.

dê uma visitinha no meu blog tbm! está começando agora e estou divulgando:

POSTS RAPIDINHOS... DIVERTIDOS.. INTERESSANTES... ORIGINAIS...
.
http://www.ojuninhoblog.blogspot.com/
.
Se der, comente! podh ser em mais d um post, afinal, são todos rapidinhos.

abraço

Welder kampos disse...

Olha, Obrigado pelo seu comentario no Sociedade do Blog Alternativo, Teu blog é bem manero, gostei...
Volte sempre ao meu...
Abraços...

Vivendo deixando a vida me levar... disse...

Ei bacana seu blog, gostei mesmo!!
Sobre a Lei, n sou fumante, mas eu gosto da idéia de conscientização e proibição em certos lugares, pois existem muitos adeptos do cigarro que nao respeitam o nao fumante! Logo as denuncias acho um tanto exagerado, até pq precisamos da policia em outros lugares e situações certo!?!? Cabe a conscientização dos fumantes mesmo, e tomara que esta lei chegue a BH e Minas tb!:DDD

Bjokas

Luís disse...

Eu acredito realmente que o que torna excitante atitudes incorretas é a exata concepção de que elas são incoerretas. Fazermos o proibido nos coloca à prova, o que ascende o ego.
Olha, eu não sou contra fumante, mas acho realmente desagradável compartilhar um lugar com uma pessoa que solta fumaça tanto quanto uma locomotiva. Não que isso seja motivo para um lei tão dura quanto essa; eu me contentava com a área reservada para fumantes. Para mim, isso estava de bom tamanho.
Eu também tenho medo de pessoas que nunca beberam, nunca fumaram, nunca andaram fora da linha. São pessoas que certamente desconhecem metade do quie é necessário para viver. Ser inteligente não significa não fazer, mas sim saber até onde ir. Bebidas, às vezes, que tal tem?
Não há dúvidas que essa lei, assim como tantas outras, só funcionaram em ambientes de grande porte - ricos, é o que eu quero dizer -, pois nos bares de esquina não haverá qualquer verificação do cumprimento da lei.
Eu jamais pensei que eles iriam tomar medidas também dentro das penitenciárias, pois lá, devido à má formação do nosso sistema, quem manda são os presos, não governadores, políticos, etc.

O mundo é injusto? Talvez. Há sempre aquele que domina, o que se submete e o que aponta.

Pirú disse...

História Real: me dedaram q eu tava fumando, chamaram a diretora, e com o fósforo coloquei fogo no cabelo da menina q me apontou, fiquei tão puto q fui expulso do colégio ! é a vida... liberdade nunca foi uma preferência nacional ! fik em cima do muro é uma pratica agradavel e conformista d muita gente... agora eu, vivo minha vida e vivo sendo dedado nop bom sentido ahuhuahua

Comenta no meu também ok ?
http://www.escolhaopcional.blogspot.com
Abraços !

Sunflower disse...

Eu AMO vir aqui. EU AMO VIR AQUI.

"Juliana Paes e que no ano que vem será candidata a deputada (anotem e me cobrem) – "

A propósito, li o post inteiro em voz alta usando meu tom profético.


VOU COBRAR.

Beijas

Kelsenskiter disse...

HAhaha Bem legal teu blog!
Kra num curto cigarro e até me incomodo quando fumam perto de mim, mas isso não tira o direito das outras pessoas de fumar! Com certeza a lei deveria ser melhor estruturada!

"se durante a gira, no momento em que o Caboclo-Fulano-de-Tal descesse e solicitasse seu charutinho aceso, quem estaria desacatando a lei, o médium, o dono do terreiro ou ... a entidade?"
hahahahahahahahaha é verdade! quem seria?

Abração!

Kelsenskiter disse...

Se der confere ai meu blog depois!

http://onegrinho.blogspot.com/

Igor Pinheiro disse...

Como já disseram, de forma estranha começaram a se preocupar com a saúde da população. Duvido que funcione muito, principalmente em São Paulo, mas enfim... Esperar pra ver!

paginasonline disse...

Eu sou fumante, e não gostei nadinha dessa lei babaca!
Adoro tomar um chopinho e acender o meu cigarro, (quem está se matando sou eu) Então me deixem em paz... hahaha
Acredito que isso causaria menos polêmica do criar uma lei para todos os bares e afins terem uma área própria para fumantes.
Pq ~esses governantezinhos de "merda" não se preocupam mais com a cracolândia do quem com os fumantes?
Enfim nem vou continuar se não escreverei um livro!!!
Parabéns pelo blog!
Me visite tbm...
BjOs

Aline disse...

Saudações.
Bom, por um certo ponto de vista, a saúde é importante, sim, mas há crimes muito maiores sendo cometidos por aí. Imagine a polícia indo multar quem está fumando e deixando o marginal roubar... Nem sabia da existência dessa Lei, não, mas acho impossível controlar, ainda mais começando por São Paulo, uma cidade tão grande.
Eu sou jovem, e sou completamente contra ao que o senhor se refere no início do texto: beber e fumar antes dos 18 anos. Quando vou a festas, vejo amigos bebendo e fumando simplesmente - como o senhor disse - com o objetivo de fazer algo errado e entrar no grupo dos corajosos que fazem coisas erradas. Ok, eu posso ser 'careta', mas se a Lei prevê 18 anos, é porque a idade adequada é 18 anos.
Outra: os casos de pessoas morrendo de Câncer de Pulmão por fumar passivamente são mínimos. Os casos de pessoas morrendo porque foram baleados na tua são incontáveis! - daí volto ao assunto do início: será que é essa mesmo a prioridade no momento?
Eu acho que me identifiquei com o 'careta' que é o dedo-duro, mas eu não conto as coisas, apenas mostro que é errado, e que, com menos de 18 anos, muitas das pessoas são influenciadas, não sabendo qual é a coisa certa, infelizmente. Muitos perdem a vida nessa faixa etária. Mas contar aos responsáveis, geralmente, não adianta. A pessoa tem que estar convencido de que o que faz é errado e só assim, irá, talvez, parar. O problema é que estamos tratando com vícios, que uma vez pegos, são difíceis de livrarmo-nos.
Bom, acho que é isso. Bom o texto, boa noite.

Raphael C. Lima disse...

Eu fumo ocasionalmente e concordo... ao menos uma coisa pra me fazer fumar menos.

Camis disse...

Fumar é um péssimo hábito do qual felizmente me livrei.
Vejo amigos falando que fumam pra "ter estilo", "tirar uma onda" e acho ridiculo!

www.teoria-do-playmobil.blogspot.com

Adriano Viana disse...

Engraçado, sempre tem um filha da mãe na escola, que e dedu duro ne? E issoque vc falor, porque a lei ant fumo não vale na prisão? La tambem e feixado "Nem muito" mais e feixado!! Parabens pelo post, muito bem detalhado, na minha humilde opinião a lei ant fumo e boa, mais tem q ser comprida em todos os lugares, como a lei afirma!! Abraço e sucesso!!

Caroline disse...

Sensacional, sensacional!!

Continue combatendo essa hipocrisia com essa inteligência e bom humor.

Isso não vai ficar assim, já tem gente se rebelando. O povo não pode ser tão passivo e tão CEGO, isso é puro marketing! O Serra não sai da televisão, não sai das manchetes, posando de HERÓI!

Quem engole isso??? Povinho burro e imprensa comprada!

Leandro Merlllin disse...

Nossa, tomei sei texto de um fôlego só, amigo!
Adorei seus comentários no meu blog sobre a política e resolvi compartilhar os meus aqui também...

Realmente é temível uma coisa dessas, afinal é mais fácil você ser um hipócrita-politicamente correto do que você exaltar seu carpe diem em um mundo cada vez mais ridículo e cheio de cerimônias...

Okay, existem pessoas que abominam o cigarro, mas a ponto de tratar os fumantes como transgressores já torna repressor e piegas uma coisa dessas.

No mais, adorei a análise do "dedo-duro" na escola. E finalizo dizendo que já tive minha fase dessas, porém atualmente eu me vejo mais como o "bandido" do que o "delator"...

Abraços e obrigado!
Leandro Merlllin, do Olhar de Sal de Jack [http://olhardesaldejack.blogspot.com]

Úrsula disse...

Preso pode? Sequestra uma tartaruga e vai prá cadeia...

Vini e Carol disse...

Hey, amigão.
Antes de comentar, é bom prestar atenção no texto.
Deixei bem claro que é errado o que fazia.
E seu comentário diz como se eu tivesse feito a pior coisa do Mundo..

Mas tudo bem, vim retribuir. ;)
Abç.

ninainwonderland disse...

acho que toda essa opressão é errada. aliás, toda opressão é. todo mundo tem consciencia das consequencias do fumo, e lei nenhuma vai fazer fumantes deixarem de fumar... vide lei-seca.

Ahmed disse...

A lei é contraditória e um tanto estúpida,particularmente não entendo como não proibem o Mc Donalds ou um monte de merda que faz mal a saúde.

Você deveria tomar cuidado ao falar de religiões "afro",a não ser que queria ser acusado de racismo opine sempre de forma favorável a tudo que se relacione a cotas para minorias oprimidas por "brancos malvados fumantes de classe média".

Sabe,com essa lei de repente sinto-me como um maldito,fumando as escondidas,ou comprando furtivamente aquela carteirinha com 4.700 susbtâncias tóxicas politicamente incorrectas rsrs.

Acho o máximo esses garotões que se entopem de anabolizantes ou mulheres tão artificiais quanto bonecas infláveis olhando com desprezo quem fuma.

Nos entopem de trabalho sufocante,remédios para dormir,para transar,para ficar calmo,não ligam para a saúde pública deixando grávidas morrerem nas portas dos hospitais.Mentem quando uma gripe diferente aparece,somos roubados,asssaltados,nos tiram todo dinheiro com impostos...


Merda,deixem-me fumar em paz,acho que aquele monte de gente saudável das boates,bares e noites bem comportadas não se importará tanto assim.

Nem a galera esperta da churrascaria,dos restarantes,das avenidas arborizadas...

Ótimo blog,voltarei sempre.


Abraços!

Ulisses Kbelo disse...

Fala Primo,
Seu texto está muito bem escrito. Com certeza é um tema que te interessa muito, foi atrás de muitas informações e defende muito bem suas posições.
Eu entendo perfeitamente sua "ira" com essa tendência anti tabagismo e principalmente com a famigerada lei.
Eu entendo que esse é um tema tão complexo de ser discutido quanto os sobre aborto, direitos humanos,posições políticas, etc. O que quero dizer é que opiniões das mais distintas aparecerão e devem ser analisadas. Temas desse porte, que mexe com a vida de muitas pessoas e que o estado influencia diretamente, não dá para ter uma opinião radical nem por um lado, nem por outro.
Sou triatleta, completamente anti-cigarro e não tolero quando alguém acende um cigarro ao meu lado, mas isso não quer dizer que aceite o estado impondo em formato de mão de ferro, hipócrita e sem moral, alguma coisa.
Um cara como eu, quando vai a um botequim e reclama com um cara que está fumando, é um idiota, mas um fumante que em um restaurante de domingo familiar acende um cigarro, é igualmente um idiota.
Enfim, é a questão da educação e do bom senso.
A alguns anos, quando ainda estava "nas baladas", mas não fumava, sabia que ia encontrar muitos fumantes, mas não me importava. Afinal, era "curtição". Hoje, estou em outra pegada. O esporte. De vez em quando, quando meus treinos estão mais leves, tenho vontade de ir a um barzinho para ver o mundo, as pessoas, escutar música, mas não vou por causa do cigarro que encomoda muito. Mas entendo que na vida tudo é uma troca. Barzinho + boa música + amigos = coisa legal. Cogarro = escroto. Só que um não vive sem o outro, então tenho que escolher se vou ou não. E não vou. Mas é uma opção que eu fiz que os encomodados deveriam fazer. O que não aceito de maneira nenhuma é fumante folgado que fuma em lugar que não é tipicamente de fumante: restaurantes, ônibus, estabelecimentos realmente públicos (do estado). Por que aí sim o meu direito está sendo sarciado. Lugar de fumante em retaurante por exemplo, nem pensar! A fumaça atravessa o salão, sem contar que somos obrigados a pegar a família e sentar perto do banheiro enquanto o fumante senta na varanda no domingo gostoso. Aí não dá. Mas botecos? Aí realmente, é uma questão de escolha frequentá-lo ou não.
Abraço
Ulisses

Thalisson Teixeira disse...

Parabéns cara pelo blog, sempre ótimos posts!!!
Sucesso

plaidy disse...

É bem por aí que começa, cigarro. Geralmente é inevitável, a maioria experimenta.

Somos tão bobinhos nessa idade :D

Anônimo disse...

Sem essa dos dedos de gesso, cada um faz o que quer na sua vida.

BLOGdoRUBINHO
www.blogdorubinho.cjb.net
www.twitter.com/blogdorubinho

Inez disse...

Sou fumante, acho que todo fumante deve respeitar quem não fuma, mas, acho um exagero essa lei, há dois lados a ser visto, do mesmo jeito que um não fumante não tem que aguentar quem fuma um fumante tem támbém o direito de fumar. Voc~e falou tudo no seu texto, é preciso reletir um pouco mais sobre a lei.
A questão de respirar um r mais puro não se deve ao cigarro, e como fica então a fumaça dos caminhões e ônibus?
Outra coisa gastou-se muito dinheiro público para treinar fiscais para isso enquanto a criminalidade corre solta e não há polícia suficiente para acagar com ela.

Allerson disse...

A lei anti-fumo é uma lei maravilhosa, embora não proiba o cigarro no Brasil o q eu acho mto chato! Nós nos tornamos fumantes passivos, enquantos malditos fumantes se matam ficam nos matando lentamente!

www.allersonblogger.blogspot.com

Viviane disse...

Sabe o que me veio à cabeça quando acabei de ler seu post?
Me deu vontade de cantar algo que você deve conhecer:
"She don´t lie, she don´t lie, she don´t lie...cocaine!"
Consegue me entender nas enterlinhas?

Lamentável que o ser humano ainda precise de mais esse "cabresto"

Antonoly disse...

Eu não fumo, mas a minha mãe fuma e bastante, estou sensibilizado por causa dela e de alguns amigos e amigas que fumam.
Um abraço!

Rob Sammore disse...

Olá amigo!!

Ótimo post, parabéns!

Bom acho também a lei exagerada, fere os direitos de cidadão, mas enfim!

Eu acho q a lei seria boa se tivesse alguns adendos, pois é muito mal estruturada!!

Mas enfim como vc disse!!!

Eles vencenram. E agora querem se vingar.

Lílian disse...

Olá amigo fumante.

Você visitou meu blog a algum tempo. Perdoe a demora para responder, mas também vim fumar com você! Adorei seu texto: estilo e conteúdo! Estou começando a acreditar que uma das 4700 substâncias do cigarro deve estimular o cérebro... encontrei em seu espaço inteligência e bom humor. Parabéns!

Taty Ades disse...

Um fato curioso:

Dentro de uma sala super fechada de teatro pode-se fumar...durante o espetáculo é permitido...

Vou aproveitar a divina lei que é uma Divina comédia e inserir persongens teatrais obcecados por cigarros , o teatro vai virar uma maria fumaça...!

Já que eu posso....não é?

Blog do disse...

A obra de Bezerra será sempre lembrada por todos nós fãs, viva ao rei do samba.

BLOGdoRUBINHO
www.blogdorubinho.cjb.net
www.twitter.com/blogdorubinho

Pobre esponja disse...

Vc posta ótomos vídeos, e escreve muito bem. Só acho que poderia (para nmei gosto) ser mais sintético, ou espalhado em outros posts.
Fiz uma matéria de como burlar a lei anti fumo no meu blog (e obrigado pelo seu comentário lá) se puder fumar, quer dizer, ver...

abç
Pobre esponja

Fabíola disse...

Gostei do seu blog, se bem que o tenha achado uma verdadeira apologia ao cigarro. Você parece que tá com o cigarro e não abre. Faz parte de uma minoria fumante que se sente, cada vez mais, pressionada por essa geração saúde inflienciada pelas propagandas de TV anti-tabagistas e reage da forma mais malcriada possível, recusando-se, por meio de respostas também malcriadas reconhecer os malefícios do cigarro. Eu não fumo, mas, sinceramente, não ando repreendendo quem fuma ou fazendo cara feia para os adepetos desse vício.

Porém, eu acho que mais chato do que um ex fumante, é um fumante fazendo fumaça e deixando, sorrateiramente, seus compromissos para dar aquela tragada e ficar com aquela cara de satisfação como se tivesse acabado de ter um orgasmo. O pior chato é o fumante resistente que quer, a todo custo, a essa altura do campeonato, iludir a si mesmo que fumar é legal, divertido e besta de quem não fuma. Quer se iludir, se iluda, mas besta é você. Eu tenho medo é de gente teimosa, que inventa os argumentos mais idiotas para não admitirem para si mesmas que estão viciadas, que estão,completament, dominadas por uma carteira de cigarro que custa menos de R$ 5,00 reais.